Você está aqui: Página Inicial / Notícias 2017 / Disque 100: canal de denúncias de violações agora conta com um módulo de urgência

Disque 100: canal de denúncias de violações agora conta com um módulo de urgência

 

Disque 100: canal de denúncias de violações agora conta com um módulo de urgência

Fonte: Ministério dos Direitos Humanos

O Ministério dos Direitos Humanos implantou uma primeira melhoria no serviço Disque 100. O canal de denúncias de violações agora conta com um módulo de urgência. Ao discar "0" no atendimento em português, o usuário é encaminhado com tempo de espera menor a um atendente, com o objetivo de denunciar casos que envolvam risco de morte, vítima em sangramento ou lesão corporal.

Durante o lançamento do balanço de dados do Disque Direitos Humanos, na quinta-feira (03) o ministro Gustavo Rocha destacou como prioridade a ativação deste serviço, com o objetivo de atender às demandas emergenciais com tempo de espera menor. “Há situações em que o cidadão não pode esperar dez minutos para ser atendido. Além de trabalhar para diminuir o tempo de espera geral, precisamos preparar uma função de urgência que atenda com celeridade às denúncias mais graves”, afirmou o ministro.

A atual gestão do Ministério planeja uma série de melhorias neste serviço. No início do ano, após decreto de intervenção federal no Rio de Janeiro, o disque 100 ativou um módulo que marca as denúncias de violações cometidas durante as operações de segurança ou que estejam relacionadas à intervenção de outras formas. Além disso, a proposta do ministro Gustavo Rocha é que o Disque 100 seja capaz de encaminhar automaticamente para o Disque 180 as denúncias relativas à violência contra a mulher.

390 denúncias por dia

Em 2017, o Disque 100 recebeu um total de 142.665 denúncias de violações de direitos humanos nos canais da Ouvidoria, incluindo o Disque 100, o aplicativo Proteja Brasil e os canais web, como o Humaniza Redes. Os canais atendem gratuitamente, 24h por dia, todos os dias da semana. O denunciante tem a garantia de sigilo. Após o acolhimento, cada denúncia é encaminhada para órgãos que possam ajudar a resolvê-la, como os conselhos tutelares, o Ministério Público e Defensorias Públicas, as Secretarias de Segurança e Polícias, entre outras.