Você está aqui: Página Inicial / Notícias 2017 / Conanda encontra 270 crianças venezuelanas em condições subumanas em abrigos de Boa Vista

Conanda encontra 270 crianças venezuelanas em condições subumanas em abrigos de Boa Vista

 

 


Foto:Jackson Félix/G1 RR

Conanda encontra 270 crianças venezuelanas em condições subumanas em abrigos de Boa Vista

Fonte: Globo.com/G1-RR

Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda) encontrou nesta segunda-feira (18) cerca de 270 crianças vivendo em condições subumanas em dois dos três abrigos para venezuelanos em Boa Vista. O número é uma estimativa da Agência da ONU para Refugiados (Acnur).

As visitas foram realizadas no Centro de Referência ao Imigrante, local onde vivem índios venzuelanos, e no abrigo do bairro Tancredo Neves, onde moram venezuelanos não-índios, ambos na zona Oeste da capital.

O Conanda é um órgão ligado à Secretaria de Direitos Humanos. As visitas ocorreram junto com representantes Acnur e da Comissão da Criança e do Adolescente da Ordem dos Advogados do Brasil em Roraima.

De acordo com a conselheira federal Glícia Salmeron, que coordenou a visita do Conanda nos abrigos em Boa Vista, durante a ação foi possível constatar que as crianças vivem de forma precária.

"Vimos uma realidade que tenta garantir o direito dessas pessoas, mas que na verdade, a gente sabe, que ali [no abrigo] as violações dos direitos acontecem pela condição sub-humana. É impossível que a criança e o adolescente que vive ali tenha garantida a sua dIgnidade", disse.

No abrigo do bairro Pintolância, segundo Glícia, foi possivel identificar muitas crianças menores de 5 anos que não estão matriculadas em escolas. "Percebemos a necessidade de uma ação urgente em relação a isso", disse.

Roraima possui atualmente quatro abrigos para venezuelanos que fogem da crise e buscam no Brasil melhhores condições de vida. Três deles estão em Boa Vista e um é em Pacaraima, cidade na fronteira que tem sido a porta de entrada para os estrangeiros.

Na tarde desta segunda (18) a conselheira federal se reuniu com representantes do Tribunal de Justiça, Ministério Público, Defensoria Pública, Conselhos estadual e municipais para traçar ações em prol das crianças e adolescente venezuelanos.

A comitiva segue para Pacaraima nesta terça (19) para visitar as condições em que vivem as crianças no abrigo do município. O espaço na fronteira é destinado apenas para índios venezuelanos.