Você está aqui: Página Inicial / Notícias 2017 / Conanda debate empoderamento de meninas no Senado Federal

Conanda debate empoderamento de meninas no Senado Federal

Conanda debate empoderamento de meninas no Senado Federal

O Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda) participou nesta terça-feira (29), no Senado Federal, do Seminário Nacional Meninas no Poder. O evento da Plan Internacional Brasil apresentou as vivências e experiências de meninas que participaram do projeto de mesmo nome, além de lançar a plataforma virtual “Meninas no Poder” e o relatório: As Meninas e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) – Uma análise da situação das Meninas no Brasil.

Os projetos apresentados durante o Seminário receberam o apoio do Conanda e da Secretaria Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (SNDCA), possibilitando a participação de mais de 200 meninas vindas do Pará, Maranhão, Distrito Federal, São Paulo e Rio Grande do Sul. O grupo é composto majoritariamente por meninas negras e moradoras de periferias.

O conselheiro Antonio Lacerda, representante do Conanda no Seminário, destacou a necessidade de o Conselho, por não poder ter em sua composição os usuários da política, realizar a escuta das crianças e adolescentes promovendo o seu protagonismo. “Já que as crianças e adolescentes não podem fazer parte do Conanda, criamos uma resolução que cria um comitê de participação permanente de adolescentes no Conselho. Vocês podem e devem participar. Vocês tem o direito de serem ouvidas”, explicou o conselheiro ao comentar a Resolução nº 191 do Conanda.

Para representante da SNDCA, Maria Gutenara, o desafio da Secretaria tem sido tratar de forma transversal o empoderamento de meninas nas políticas públicas. Ao citar a Resolução nº 180 do Conanda, que trata da igualdade de direitos entre meninas e meninos nas políticas públicas, Gutenara enfatizou que “a força desta e de outras iniciativas é justamente fomentar mais e mais ações. Questões de gênero, raça e todas as desigualdades devem estar na essência de iniciativas como a deste projeto”, ressaltou.

O gerente de estratégia de programas da Plan Internacional Brasil, Flávio Debique, reforçou a dificuldade em tratar de equidade de gênero em alguns dos 70 países onde a Plan atua e chamou a atenção para os retrocessos que avançam no Brasil. “Nos preocupam os retrocessos e o quanto os contra discursos avançam em alguns processos legislativos”, reforçou.

Durante o Seminário também foi lançada a Plataforma Virtual “Meninas no Poder”. O ambiente virtual, que será atualizado pelas participantes do projeto por meio de conteúdos áudio visuais com relatos diários sobre as ações de incidência destas meninas nas suas comunidades. A plataforma também tem como objetivo conectar meninas de todo o país, promovendo a mobilização e a formação de meninas entre 14 e 18 anos, além de incentivar e fortalecer a participação cidadã, o protagonismo, a incidência e o controle social sobre as políticas públicas referentes aos direitos, de meninas, e demais crianças e adolescentes no Brasil.